Relogio
..::data e hora::.. 00:00:00
Número de animais silvestres resgatados quase dobra em 2018
18/12/2018 10:08 em Natureza
 
 
Técnicos da Fujama atribuem este ao trabalho de educação ambiental e ao fato da boa parte da população local saber que existem equipes para este trabalho
 
O ano mal terminou e a Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente (Fujama) já registra índices de resgate de animais silvestres em área urbana que quase superaram em 100% o registrado em 2017. Entre mamíferos, répteis e aves cerca 222 foram recolhidos de ruas e áreas residenciais e depois devolvidos à natureza após passarem por tratamento veterinário.

Número este, que contrasta com os 115 espécimes resgatados em 2017. “Antigamente, você achava uma cobra em seu terreno o dentro de casa e o primeiro impulso era simplesmente matá-la. Hoje, as pessoas estão mais conscientes do papel desta espécie para o equilíbrio do meio ambiente e tem preferido nos chamar para apanhar o animal”, explicou o biólogo e chefe de Educação da Fujama, Christian Raboch. Durante o horário de expediente, esse trabalho é feito por técnicos da própria Fundação. Já durante a noite, fins de semana e feriados, o resgate é executado com auxílio dos Bombeiros Voluntários de Jaraguá do Sul.

E são justamente as serpentes que lideram o ranking de resgates silvestres da Fujama, 74 casos. A mais comum encontrada pelos técnicos e a Sibynomorphus neuwiedi, popularmente conhecida como dormideira. “Muita gente confunde essa espécie com a Jararaca já que as duas tem a coloração parecida. No entanto, a dormideira é bem menor e inofensiva ao homem. Seu alimento favorito são lesmas. Somente este ano 28 foram capturadas e devolvidas ao meio ambiente. Na segunda colocação ficou as corais verdadeiras (15) ocorrências) com as jararacas logo em seguida (10 resgates).

Entre os mamíferos, o destaque são os gambás (Didelphidae)conhecidos em outras regiões do Brasil como sariguê, saruê, timbu, entre outras alcunhas populares. Este ano, foram capturados 71 espécimes adultos e mais 40 filhotes (que normalmente ficam agarrados ao corpo da mãe).

Os técnicos do Fujama também resgataram ainda 15 corujas entre a pequena buraqueira até a impotente coruja-de-igreja. “Sem contar atendimentos que envolviam cachorro-do-mato, tamanduá-mirim, gaviões, tucanos, aranha-caranguejeira, porco-espinho, tatu-galinha, lagarto, martim-pescador, quatis, capivara e cutia.

Monitoramento – Normalmente após serem resgatados o animais passam por uma triagem com veterinário no qual é feita a avaliação de sua condição física ou se precisam de algum cuidado específico. Uma vez, recuperados, são soltos em áreas de preservação ambiental nas imediações de Jaraguá do Sul.

Recentemente, a Fujama adotou um sistema de monitoramento por câmera não só para observar os espécimes soltos, mas para para a incidência de exemplares nativos, alguns até considerados raros. “Para nossa surpresa, conseguimos detectar a presença de animais típicos da Mata Atlântica, mas que eram considerados raros ou em risco de extinção como é o caso da jaguatirica e do gato-mourisco”, apontou Christian. “O que demonstra que aos poucos, principalmente neste trabalho de Educação Ambiental, estamos restituir espécimes nativos da nossa fauna.”

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
Previsão do tempo em Jaraguá do Sul